Michel Temer: presidente sem governo

maio 19, 2017 No Comments »
Michel Temer: presidente sem governo

O próprio procurador-geral-da República, Rodrigo Janot, se disse estarrecido com o que ouviu na conversa dos delatores com o presidente Michel Temer

*Isaac Wallace de Oliveira

Após as últimas denúncias do empresário Joesley Batista e seu irmão Wesley, nesta semana, não tenho mais dúvidas de que o governo do presidente Michel Temer (PMDB) chegou ao fim. Algo semelhante ao doente terminal que se mantém vivo por causa dos aparelhos de uma UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Ele tenta espernear dizendo que houve edição das gravações, mas o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), relator das delações da Lava Jato naquela corte, Edson Fachin, desmentiu essa hipótese.

O próprio procurador-geral-da República, Rodrigo Janot, se disse estarrecido com o que ouviu na conversa dos delatores com o presidente Michel Temer. A saída agora, para o bem do Brasil, é convocar eleições diretas para tentarmos aproveitar ainda o segundo semestre de 2017, porque o primeiro já foi desperdiçado. Não podemos continuar nesta agonia. Todos sofrem, principalmente o trabalhador, pois a corda estoura sempre do lado fraco.

Denomino Michel Temer de exterminador de direitos trabalhistas e previdenciários. Neste um ano de desgoverno, só se preocupou em destruir conquistas obtidas sob luta e sacrifícios. Serviu como fiel mordomo da elite reacionária, que suga as riquezas do Brasil desde 1500. Posa de democrata nas manchetes de jornais e revistas, mas jamais renunciou ao ranço escravagista, quando tinha milhares de negros nas suas fazendas como mão de obra paga com um prato de comida.

Precisamos nesta marcha para Brasília no dia 24 reforçar a senadores e deputados que não é mais possível continuar defendendo uma reforma trabalhista e previdenciária que só retiram direitos. Para este país progredir, é preciso manter conquistas obtidas pelos trabalhadores. Somos nós que derramamos o suor dentro das fábricas para continuar gerando riquezas, que na maioria das vezes nunca é dividida corretamente. Aliás, os ricos brasileiros prosseguem acumulando cada vez mais dinheiro, principalmente nos paraísos fiscais.

O momento é este. Porém não podemos abaixar a guarda, iludidos com falsas promessas de líderes políticos que disseram jamais votar no retrocesso e foram os primeiros a defender as propostas do governo no plenário. Devemos ficar atentos às votações nas comissões especiais, para não corrermos o risco de chorar o leite derramado depois.

*Isaac Wallace de Oliveira é presidente da Ferquimfar (Federação dos Trabalhadores nas Indústrias do Ramo Químico, Farmacêutico e Material Plástico do Estado do Rio de Janeiro) e secretário-geral da Força Sindical/RJ.